Governo prepara “Tinder do emprego” para conectar empresas a trabalhadores

O Ministério da Economia está preparando uma forma de reduzir o desemprego através da modernização do Sine (Sistema Nacional de Emprego), com a ideia de facilitar o match entre vagas e trabalhadores. O projeto se chama Open Sine e é apelidado internamente de “Tinder do emprego”; ele deve ser implementado ainda este ano.

Um pacote de medidas elaborado pelo Ministério da Economia deve ser anunciado já na semana que vem, e a reformulação do Sine pode ser uma das primeiras a entrar em operação. Segundo a Folha, a base de dados começará com 15 milhões de trabalhadores cadastrados em todo o país, com potencial de ampliação para 50 milhões.

O Sine foi criado em 1975 e tem duas funções principais: fornecer acesso ao seguro-desemprego, e fazer a intermediação entre empresas e funcionários. Sua base de dados inclui milhões de pessoas que solicitaram o seguro-desemprego, pois o cadastro é obrigatório. No entanto, o órgão tem dificuldades em encontrar vagas para trabalhadores, com taxas de efetividade inferiores a 0,5% em alguns estados.

“As informações captadas do trabalhador são de péssima qualidade”, diz o economista Carlos Alexandre da Costa em entrevista ao Correio Braziliense. “Não tem um padrão, não se pergunta o que tem que ser perguntado. As empresas acham que não vale a pena colocar as vagas lá, porque a chance de encontrar o trabalhador é muito baixa.”

Costa é ex-diretor do BNDES e atual secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia. A secretaria herdou parte das funções do antigo Ministério do Trabalho, extinto em janeiro pelo presidente Jair Bolsonaro.


Open Sine é “emergencial”, diz secretário


Carlos Alexandre da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia

Aí entra o projeto Open Sine. O governo não tentaria fazer o match entre empresas e desempregados: isso ficaria a cargo de empresas de recrutamento que teriam acesso aos dados do Sine. Elas fariam o pareamento com base na formação e experiência profissional das pessoas. O nome dos desempregados, no entanto, não seria revelado.

“Nossa ideia é abrir a plataforma para todas as HRtechs (startups de Recursos Humanos), que já trabalham nessa área, para que elas se conectem, ofereçam vagas e tenham acesso a essas informações”, explica Costa ao Correio Braziliense.

“Essas empresas não fizeram isso até hoje porque não tinham acesso aos dados e porque não viam oportunidade, com o governo querendo fazer tudo, querendo captar a vaga, ir na empresa”, diz Costa em entrevista à Folha. “Temos que facilitar em vez de atrapalhar.”

Para Costa, o novo Sine é “emergencial”. A taxa de desemprego no Brasil chegou a 12,4% no trimestre encerrado em fevereiro; são 13,1 milhões de pessoas, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O governo prepara outras medidas para melhorar o cenário econômico, incluindo reformular o e-Social para reduzir a burocracia; criar um Registro Único de Regularidade Fiscal; distribuir vouchers (vales) para que trabalhadores invistam em uma qualificação solicitada pela empresa; entre outros. Elas devem ser apresentadas em detalhes na semana que vem.

Gramado RS Previsão do tempo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *