Motorista do Uber deve ter vínculo empregatício, diz Ministério Público do Trabalho

MPT planeja ações coletivas contra Uber e similares.

Relatório distribuído a promotores pretende criar o entendimento de que prestação de serviço a aplicativos configura vínculo empregatício.

Uber
Conta dos custos trabalhistas iria para toda a sociedade, diz MPT

 

Após um ano de estudo, procuradores do Ministério Público do Trabalho (MPT) aprovaram um relatório, obtido com exclusividade pelo Estado, no qual afirmam que a prestação de serviços a aplicativos como Uber, Cabify, 99, Rapiddo e Loggi, configura vínculo empregatício de motoristas e motoboys. O MPT planeja usar o documento para embasar ações coletivas contra as empresas na Justiça do Trabalho.

O relatório é fruto do “Grupo de Estudos Uber”, que reúne procuradores interessados no crescente número de ações contra o Uber. Apesar de ter sido elaborado antes da reforma trabalhista, o estudo levou em conta ações impetradas contra a companhia norte-americana, símbolo da chamada “economia do compartilhamento”, em países com realidades trabalhistas diferentes da brasileira.

Segundo os procuradores, Uber e similares não são parte da economia do compartilhamento e precisam arcar com as responsabilidades trabalhistas como qualquer companhia. “O que o Uber e outras empresas fazem é controle por aplicativo, criando um grupo de falsos autônomos”, afirma Rodrigo Carelli, procurador do MPT. “É preciso uma mudança, senão a sociedade vai pagar a conta no final.”

 

Tenha um site responsivo que se adapta a celulares e computadores. Entre em contato com a Digoo Web Gramado.

Para chegar a essa conclusão, em pouco mais de um ano, 11 procuradores do MPT examinaram oito ações coletivas contra o Uber em seis países, entre eles Estados Unidos, Espanha e Inglaterra. Além disso, estudaram quatro processos de motoristas brasileiros contra o Uber: em um deles, a Justiça reconheceu o vínculo empregatício, enquanto nos outros três, a Justiça foi favorável ao Uber. Eles também estudaram uma ação movida por um motoboy contra o aplicativo de entregas Rapiddo, no qual a Justiça deu ganho de causa ao profissional.

Aprovado em junho, o relatório foi distribuído a um amplo grupo de promotores do Ministério Público Federal. A expectativa é que eles entrem com ações coletivas na Justiça contra as empresas. Uber e Rapiddo, que já foram acionados individualmente, podem ser as primeiras a sofrer os processos. “Queremos embasar ações civis coletivas para que haja uma unificação de decisões da Justiça”, afirma Carelli.

 

Desenvolvimento de sites Gramado
Criação de sites Gramado

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Diego Bencke

Diego Bencke

CEO DigooWeb - Graduado em Marketing
Especialista em Internet Marketing.
No Instagram: @diegobencke

Conheça a DigooWeb

Quem Somos

A DigooWeb é uma agência de internet Marketing da cidade gaúcha de Gramado.
Começamos há mais de 10 anos desenvolvendo sites em wordpress e hoje ajudamos empreendedores de todo o Brasil a melhorar seus resultados nas buscas da internet fazendo um trabalho de assessoria em SEO tanto no sites como no Google Meu Negócio. Também utilizamos tecnologia de inteligência artificial para administrar as redes sociais de nossos clientes e disponibilizar chatbots para agilizar o atendimento de nossos parceiros.

Venha se destacar na internet com a DigooWeb

Últimos Posts

Siga a gente

×
Woooow!